Cavaco – a hipocrisia perto de Mandela

ng2917100

Mandela morreu? Não. Ele perdurará em tudo que nos ensinou. O seu legado será eterno enquanto a memória da humanidade explorada e oprimida – relegada por uns quantos para a sub-humanidade sob a bandeira de falsa democracia, justiça e liberdade – se justificar. Talvez Mandela viva enquanto no planeta existirem dois seres humanos: um explorador e opressor, outro explorado e oprimido. Portanto, Mandela não morreu, o seu legado não se decompôs nem se vai decompor facilmente. Mandela vive em cada um de nós, os explorados e oprimidos globais. É certo que agora ocorrerão aos seus funerais com pompa e circunstância, recheados de hipocrisia. Os inimigos e adversários de Mandela de ontem vão estar alinhados nesses mesmos funerais. Vão tecer palavras elogiosas, vão mentir, vão soltar as suas altas doses de hipocrisia, vão inventar peripécias das suas privacidades com aquele grande ser humano, vão tecer teias de falsidade encobertas em maviosas palavras sobre o gigante que é Mandela, procurando ocultar que tal grandeza os fez soçobrar mas que nem por isso deixaram de ser seus inimigos e adversários. A comprová-lo estão presentes as suas atitudes. As suas decisões e opções políticas e económicas. A comprová-lo está a exclusão (apartheid) a que votam os seus povos. A comprová-lo estão as políticas que advogam e que se resumem a uma frase batida mas que não deixa dúvidas da sua terrível correspondência à realidade: “Os ricos cada vez mais ricos, os pobres cada vez mais pobres”. E ali se alinharão os pseudo venerandos e pseudo amigos de Mandela, na África do Sul, nos seus funerais. Chefes de Estado e primeiros-ministros de quase todo o mundo. Uma passarela de hipócritas onde sobresaírá Obama e outros norte-americanos que têm imposto ao mundo inteiro a submissão e desgraça dos povos em troca, dizem eles, da (pseudo) liberdade e democracia quando na realidade os seus objetivos têm sido e são no presente (será no futuro) explorar e oprimir. Roubar as potencialidades dos povos e dos países que ocupam através de falsidades ou da imposição da guerra. Também Portugal terá a sua cota parte de representação hipócrita nos funerais de Nelson Mandela. Foi escolhido Cavaco Silva, representante das políticas segregacionistas vigentes em Portugal. Adepto fervoroso do apartheid entre pobres e ricos. Da exploração e opressão de uns quantos sobre milhões de portugueses. Cavaco Silva insere-se perfeitamente no corropio da hipocrisia que por estes dias vai desfilar na África do Sul. A grandeza de Mandela ficará indiferente ao desfile fúnebre desses funestos dirigentes da elite mundial. Sorrirá, isso sim, para os que aprenderam a visão da liberdade, justiça e democracia por que lutou e que lhes ensinou e por que continuarão a lutar até derrubarem os mentores executores dos apartheids que aquelas elites presentes e não presentes representam, incluindo Cavaco Silva.

Ana Castelar

Anúncios

Deixe um comentário

Filed under Uncategorized

Deixar opinião

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s