Desonestos de Portugal, na TV

sem nome

Talvez fosse de bom-tom e informativamente útil uma das televisões portuguesas construir um conteúdo recreativo que simulasse as imensas desonestidades dos políticos. Agora a começar pelos autarcas a quem chamam dinossauros porque tudo fazem para iludir a lei de limitação de mandatos que os legisladores (seus colegas de partidos) elaboraram tão confusamente ou permitindo considerá-la confusa para possibilitar a continuidade dos tais políticos dinosauros. Alguma razão terá havido para que assim vissem conveniência (os legisladores). Até se diz que tem que ver com conluios de corrupção e nepotismos. É provavel. Perante tal descaramento é palusivel que a voz do povo tenha razão. Se antes a discussão sobre os abusos e chafurdisse da lei se limitava essencialmente aos presidentes de câmaras municipais agora já se sabe que ela é extensiva aos presidentes de juntas de freguesia. Basta ler em Notícias Ao Minuto um pouco. O título e o primeiro parágrafo: “Limitação de mandatos Autarcas arranjam esquema para ‘fintar’ lei – O esquema é simples: presidentes das juntas, que tenham cumprido já três mandatos, candidatam-se como número dois para depois chegaram à liderança graças à renúncia ou à delegação de funções pelo cabeça de lista, avança o Jornal de Negócios.” Perante tamanhos chicos-espertos, perante tais vigaristas, vê-se bem a quem Portugal está entregue. O país sofre, os portugueses sofrem toda esta calamidade de desonestidade porque existe uma elite que se apoderou dos poderes criminosamente e se alastrou num ou mais polvos do crime que ocupam os mais altos cargos. Alguns através de eleições outros por nomeações daqueles. E nisso tudo primam as dimanações dos aparelhos partidários, das máfias aliadas à alta finança nacional e internacional. Os que derem mais. Portugal é um país a saque. Já quase ninguém confia em alguém, principalmente se forem políticos dos partidos do chamado “arco da governação”, o CDS, o PSD e o PS. Mesmo assim muitos votam neles, acreditando sempre nas suas constantes e astutas mentiras quando em campanhas eleitorais. Os portugueses andam a eleger criminosos para os mais altos cargos dos poderes democráticos e não encontram alternativa. Tal é dimensão do polvo ou dos polvos. Um programa de TV, talvez intitulado “Desonestos de Portugal”, viria a calhar, seria utilissimo. Os autores só tinham de imitar muitas das desonestidades e crimes que são praticados impunemente por certos e incertos políticos dos partidos do tal “arco”. Teriam pano para mangas para produzir. Os “Desonestos de Portugal” resultaria num vasto manancial de programas TV.

Otávio Arneiro

Anúncios

Deixe um comentário

Filed under Uncategorized

Deixar opinião

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s