A Sãozinha da Banharia na AR?

assuncao esteves

 

A Sãozinha lá  se espalhou outra vez. Quando abre a boca até parece que foi nascida na Banharia, repleta de caragos, de alhos e bugalhos. Quanto se sabe esta Sãozinha não é filha do murcão que andava a vender os vira-vento lá pelo mercado do Bulhão, que pela surra também vendia preservativos (camisas de vénus) numas caixas que pareciam de fósforos mas não eram. Ele tinha uma filha Sãozinha, lá isso tinha, mas não esta. De certeza, porque essa Sãozinha faleceu tuberculosa. Outros tempos, também muito difíceis graças ao salazarismo. O pai, esse tal murcão era um enorme desbocado, o seu léxico era constituído por palavrões dizeres e respostas inadequadas, desrespeitosas. Por isso não cativava nem fazia amigos fora dos seus iguais. O que fazia sempre que abria a boca era inimigos ou, pelo menos, quem o abominasse. A Sãozinha, ao que se presume, não é filha daquele murcão, por isso não aprendeu com ele, nem deve ter nascido na Banharia (cá pelo Porto). Pois se calhar não. Mas olhem que até parece que sim. E é ela a segunda figura da República Portuguesa. Que vergonha. Pensando bem, afinal, a Sãozinha e Cavaco (primeira figura) até fazem um bom par-de-jarras. Ou de bestas. “O problema é deles”, disse a Sãozinha, já agastada, sobre a fala ou não fala dos Capitães de Abril. Esqueceu-se a Sãozinha que graças  a esses Capitães de Abril é que ela enche os alforges de euros e mordomias escandalosas e que só por eles, pela sua ação em 25 de Abril de 1974 – juntamente com o povo português e os partidos anti-fascistas então na clandestinidade – é que ela, a Sãozinha, se senta na cadeira de Presidente da Assembleia da República. E que por isso é que os seus correlegionários do PSD e do CDS têm oportunidade de andar a brincar ao faz-de-conta da democracia. Desbocada como o murcão dos vira-vento. Carago, Sãozinha, deixou de ser pobre à custa do 25 de Abril e da política mas olhe que é muito mal agradecida. Até parece que nasceu mesmo na Banharia e que faz garbo disso quando abre a boca e solta bacoradas indignas do seu cargo político. Valha-a a santinha das mulheres da vida da Banharia. Ao menos isso e uma barra de sabão para lavar essa boca. Pode lá ser, a Sãozinha ressuscitar e agora estar toda finória (quando não abre a boca) na AR. E até reformada aos 42 anos. Que sorte. Ou será que nojo?

Graça Pádua

Deixe um comentário

Filed under Política

Trapaceiros e ceifeiros

imagesCAHL93R8

Na verdade estamos perante um bando de trapaceiros que ocupam os poderes políticos. E também à sua mercê. Assim interpreta e julgam os tão mal governados por eles. Recordando Cavaco Silva e as suas “aplicações” de oferta de bandeja por Oliveira Costa, mais umas quantas do BPN e rodeado de gente metida em escândalos financeiros, às “confusões” do pagamento de SISA da casa de Cavaco no Algarve, o seu real valor por troca da famosa vivenda Mariani por outra na Aldeia da Coelha… Vigaristas? É o que se fala em boca cheia. Esquivo é Passos, tirando uma empresa que beneficiou de fundos comunitários europeus e onde Relvas também estava. Mas esquivaram-se. Ficaram as dúvidas para muitos. E também porque os portugueses na sua vasta maioria não confiam na justiça. Justificadamente. Portas. Paulo Portas e os submarinos, e os Pandur. E os alemães condenados na Alemanha mas nada disso em Portugal… Tudo fica no limbo. O retrato da justiça é mau. O destes personagens não é melhor. Todos estão mal na fotografia. Julgam os portugueses. Impunidade. Diz-se. Mas como estes há mais. Regra geral nos partidos ditos do “arco da governação”. O PS também não é flor que se cheire. Nem por sombras. Na atualidade existem demonstrações da falta de coerência e de honestidade destes trapaceiros – uns do governo e outros nem por isso. Vejamos o Jornal de Notícias, por exemplo: “Passos Coelho confirma mais cortes “, disse há poucos dias.  “PSD desmente “mais cortes de salários e pensões”, diz hoje Montenegro chefe de bancada do PSD na AR. Mas há cortes… Onde? Eles, os trapaças, jogam com as palavras. Omitem. Mentem. Vigarizam os portugueses a torto e a direito. E tudo isto com a proteção e conluio de um sujeito que em vez de representar os interesses da República Portuguesa e agir em sua defesa, do seu povo e instituições, do país, cumplicia-se com os esbulho aos portugueses para encher alforges de uns quantos das elites nacionais e estrangeiras, dando o amen à destruição da justiça social, à miserabilização dos que produzem ou que estão desempregados devido às políticas erradas que aprova sem pestanejar. A democracia no verdadeiro significado já foi. Já era. E tudo de acordo com os objetivos dos trapaceiros aqui referidos e por referir. Quarenta anos passados do 25 de Abril de 1974, o trio de Belém a São Bento – Cavaco, Passos e Portas – sacou da arma do revanchismo e ceifa Portugal e os portugueses sob o pretexto da crise que o capitalismo global inventou para empobrecer e explorar ainda mais os povos. Existem alternativas para evitar este descalabro mas os executantes dos poderes preferem cumprir o guião da corja do capital nacional e global a troco das impunidades e mordomias de que depois beneficiam, se fala e percebe-se. Trapaceiros e ceifeiros… de vidas e de países. Quarenta anos passados do 25 de Abril de 1974, tudo se aceita? Não se reage adequadamente? Nada se faz para além de balirmos? Que gente. Que povo.

Mário Motta

Deixe um comentário

Filed under Política

O PS é continuidade, não é alternativa

Sem título

João Galamba, deputado do Partido Socialista, foi entrevistado pela TSF/Dinheiro Vivo. Um entrevistador destacou-se, creio que jornalista do Dinheiro Vivo. O sujeito parecia um fanático do CDS ou do PSD. Um entrevistador acintoso e, pela relevância deixada, tendencioso. Mas mesmo assim ajudou a esclarecer o atual e futuro conteúdo do PS – sem novidade para os mais atentos. Disse Galamba que o “PS ainda não está preparado para ser alternativa“. Pois não. Não está nem estará – a continuar por este caminho. O PS, ao contrário do dito por Galamba, há muito que não é alternativa ao PSD ou ao CDS mas sim continuidade das suas políticas. São um em três. Possui o PS máscaras de socialista tão falsas quanto a falsidade de Passos expressa durante a sua campanha eleitoral e comprovada após ser empossado primeiro-ministro. O Partido Socialista não é melhor nem pior para os portugueses que o PSD ou o CDS. Fazem parte do mesmo esquema. Os PS antigos não eram tanto assim (havia até os que nem eram assim de todo) mas desde que no PS passou a prevalecer a amálgama de neoliberais pseudo considerados de socialistas – rendidos às políticas do mercado e dos mercadores – passou a ser. Galamba ou é ingénuo ou anda distraído. Se foi para o PS esperançado em dar a volta ao partido será melhor tirar os cavalinhos da chuva. Esqueça e parta para outra. É que o PS está enxameado de falsos sociais-democratas, de falsos socialistas. Como se tem visto. O PS não é nem virá a ser alternativa ao CDS, nem ao PSD, nem a este terrível governo. É simplesmente a continuidade daqueles clamando com enorme falsidade que é diferente. O que vimos é que nuns e noutro não existem diferenças que possam vir a contribuir para melhor Portugal, melhores políticas com vista a mais democracia, mais justiça, mais igualdade na distribuição da riqueza que pertence cada vez mais a uma dúzia de sortudos – para não dizer de mafiosos que se apossaram e continuam a apossar das máquinas político partidárias, fazendo dos componentes dessas máquinas mafiosos serviçais que gravitam à babuja de vantagens e mordomias. O Partido Socialista já foi, atualmente não existe. Acreditando na honestidade de Galamba resta deixar um recado: Malhar em ferro frio não molda a forma daquilo que se pretende. E o que se pretende é uma sociedade mais justa, como consta na declaração de princípios do Partido Socialista. Item por cumprir e que jamais o PS atual cumprirá.

Ana Castelar

Deixe um comentário

Filed under Política

Jogo sujo na RTP

naom_52ee131762b77

Poiares Maduro, um crítico do governo de Passos Coelho, deixou de o ser depois de ingressar no governo. O professor deu uma lição repetida e que todos os portugueses já conhecem: dêem-me umas migalhas, um “tacho”, que eu calo-me. Poiares Maduro é ministro da propaganda governamental. Faz lembrar a senhora da limpeza no cargo que ocupa no governo. Esforça-se imenso para arrumar, ocultar e limpar a trampa. Desta vez vem uma vez mais tentar limpar a entrevista do desbragado e carroceiro que é manda-tudo na RTP, o senhor Da Ponte. O Maduro pode fazer o que quiser, tem esse privilégio, diga assim ou diga assado, cozido ou frito. Pode pretender usar os mais sofisticados processos de limpeza… Poder pode. Facto é que a trampa está feita e muito bem escarrapachada no jornal de Notícias (como é referido aqui no Balneário Público por Robles Neto), pelo que a nódoa que caiu no pior pano – o governo – jamais poderá fazer desaparecer. Nem sequer disfarçar. Maduro está assim vocacionado para falar, falar, sem conseguir limpar ou encobrir o chiqueiro que é habitat natural deste governo. Existe a vontade de dar a machadada final na RTP. Nos bastidores tudo para esse fim se compõe. Só falta saber quando terão a coragem de mostrar o jogo sujo que pretendem esconder. Para além de mentirosos, são batoteiros. A foto foi extraída de Notícias ao Minuto e o contexto a que me refiro está lá também.

Graça Pádua

1 Comentário

Filed under Política

RTPonte, medonho na TV Pública

ng3012168

Alberto da Ponte, o patrão da RTP, deu entrevista (foto e tudo no JN). Medonha. A sanha que vem contendo está a surgir desgovernada. O homenzinho nada sabe de média, nada entende de televisão, está a meter a TV pública numa camisa-de-onze-varas em prol de uma qualquer vantagem para privados. O que estiver guardado na manga logo se verá. A não ser que este governo caia e que o seguinte não seja como este… ou pior ainda. Aos portugueses, como sempre, compete pagar. Pagar até a obtusos que são “patrões” daquilo que pertence a todos e mais parecem liquidatários da RTP, como de outras empresas públicas e semi-públicas que já escavacaram, venderam com laivos de doação. É aquilo que temos. Foi o que os portugueses escolheram ao votarem como votaram e como habitualmente votam. Haverá até entre os funcionários da RTP muitos, mas mesmos muitos, que votaram na matilha Cavaco-Passos-Portas para serem tramados por estas espécies medonhas tão ao estilo dos Da Ponte. Medonho é o presidente da República, o governo, muitos dos deputados. Não é só esse tal Da Ponte. Aguentem-se, apesar de agora quererem rejeitar o veneno que escolheram. Pior estão os que nessa péssima escolha não têm cumplicidade mas se vêem cercados e desgraçados pela matilha que se apoderou dos poderes.

Parecendo que não vem a propósito. Parecendo que não está relacionado com o escrito atrás: “Seguro diz que há “perceção” de que partes do Estado “estão capturadas” por interesses”. Este Seguro anda a treinar para anedota ou já é? O Estado capturado por interesses já faz tempo que está. E o PS sabe muito bem a história toda porque é parte dessa história. Digamos assim: Era uma vez a corrupção, o conluio e o nepotismo… A moral da história é conhecida. O fim da história é que não é conhecido. Se vencer o bem, como na maior parte das histórias, os maus têm os dias contados e vão ter um péssimo fim. Um medonho fim. Será?

Robles Neto

1 Comentário

Filed under Política

Tudo à farta. Não faltará miséria e fome

imagesCAHL93R8

Aproximam-se eleições. Tudo vai melhorar. Crise? Qual crise? Os números desmentem a crise extrema. É só uma crise moderada. O pior já passou e agora vai ser tudo servido como milagres. As eleições mais próximas são para a EU e, imaginem, já está tudo a melhorar. Querem ver que sim. Ora leiam se fizerem o favor. Da Lusa: “Desemprego em Portugal cai para 15,4% em dezembro de 2013 pelo 10.º mês consecutivo”. Este o título de ainda há pouco. E complementa: “A taxa de desemprego em Portugal baixou em dezembro de 2013, pelo décimo mês consecutivo, para os 15,4%, a maior redução homóloga da União Europeia, a par da Irlanda e da Letónia, revela o Eurostat.” Pois claro que o desemprego diminui. À custa da emigração desbragada e compulsiva. Cumprindo o que Passos e os seus capangas do governo ordenaram, para que os portugueses deixassem de ser piegas, saíssem da sua zona de conforto e emigrassem. Aos desempregados que faltam junte-se aqueles que se suicidaram. Quantos foram? Aqueles que já desistiram e nem comparecem nos Centros de Desemprego, aqueles que foram empurrados para a indigência, os Sem Casa, os Sem abrigo. E quais são os números da criação de emprego? Zero ou pouco mais que isso, porpocionalmente. Desce o desemprego mas a criação de emprego não é compativel com a propaganda? Grande forrobadó. Grandes vigarices por que o ministro da propaganda (Maduro) passeia os jornalistas. Com números tão favoráveis já deviamos sentir melhorias e não acontece isso. Porque será? Porque será que o desemprego continua a aumentar na realidade? Porque será que as falências de empresas não param? Com a consequência dos empregados ficarem desempregados. Conversa de mentecaptos, vigaros e mentirosos que se perfilam para não se verem demasiado castigados nas eleições europeias que se aproximam. E depois surge mais próximo 2015 com as eleições que tocam diretamente aos que tomaram a governação com base em mentiras, em falsas promessas pronunciadas por um enorme aldrabão de nome Passos Coelho. Esse mesmo que Cavaco Silva, o seu comparsa de Belém, tem transportado ao colo e mimado, borrifando-se para os horrores causados aos portugueses. Passos entrou a matar e Cavaco ajuda a esfolar as vítimas desta situação criada por famílias político-partidárias e economico-financeiras a que eles próprios pertencem. Aquilo a que o povinho chama “A chusma de bandidos”. É evidente que Passos entrou a matar logo que se apossou dos poderes, até aboliu feriados dignos do perfil do traidor de 1640, Miguel de Vasconcelos, vendido aos castelhanos (Espanha). E também a matar, como entrou e atingiu a eito símbolos históricos e religiosos que não lembraria a Belzebu. Mas agora já se fala em repor os feriados roubados. Diz a Lusa em título: “Igreja admite querer reposição dos feriados suspensos em 2013”. E sim. Pelo que sei o governo vai repôr os feriados religiosos porque “A igreja continua a querer a reposição dos feriados religiosos suspensos em 2013, lembrando que foi combinado fazer uma reavaliação cinco anos depois (em 2018) e decidir consoante a situação económico-financeira do país.” E se repõe os feriados religiosos também reporá um ou outro dos outros feriados. O que já se sopra pelos corredores dos poderes é que dois feriados serão devolvidos aos portugueses em 2015, antes das eleições legislativas. Um deles será o 1 de dezembro, o Dia da Restauração. O dia que em 1640 marca a derrota e a morte de muitos traidores vendidos à coroa castelhanha, melhor dizendo: aos Felipes de Espanha. E estes da atualidade, a quem estão vendidos? Portugueses, preparem-se. Daqui por uns meses Portugal será anunciado como um idílico Mar de Rosas, com a ajuda de certos e incertos jornalistas e incubadores de opinião ao serviço dos mete-nojo, se fizerem o favor. Crise severa? Qual crise? É o que se queira. Tudo à farta, principalmente a miséria e a fome.

Pepe

Deixe um comentário

Filed under Política

O novo “mealheiro” do governo

imagesCAHFTFPF

Pires de Lima, o ministro que em outubro passado anunciou o “milagre económico”, declarou em entrevista ao El País que “Com as medidas incluídas no Orçamento do Estado para 2014, espero que não sejam necessários mais sacrifícios no setor público. Não é possível cumprir o objetivo de baixar os impostos em 2015 sem controlar a despesa pública.” Interessante. Nestes anos têm usado e abusado do “mealheiro” dos reformados e agora, esgotados que estão os recursos de sobrevivência de muitos idosos pensionistas, o governo virou-se para o “mealheiro” dos funcionários públicos com toda a gana. Relativamente aos funcionários públicos a realidade é esta: “Depois de três anos de reduções salariais entre 3,5% e 10%,que se aplicavam a partir dos 1500 euros, os trabalhadores do Estado tiveram, já este mês, um corte agravado, entre 2,5% e 12%, nos salários a partir dos 675 euros. Segundo a consultora PricewaterhouCoopers, os cortes previstos para este ano levarão a que, no caso dos ordenados mais elevados, a perda de salário real entre 2010 e 2014 possa chegar quase aos 19%”, podemos ler em Dinheiro Vivo. O que aquele ministro não diz, nem os outros, nem fazem, é cortar nas mordomias dos que andam a empanturrar-se nas gamelas do Estado. Os ministros, os deputados, os boys e as girls, as cunhas, as negociatas, a corrupção, os conluios… Nisso não há cortes. Por isso se disse e se diz: É fartar vilanagem. Destas “conversas” os portugueses estão fartos. Os roubos são descarados e não se vislumbra que a bem, democráticamente, nos livremos desta súcia de vigaristas. Não vai a bem…

Otávio Arneiro

1 Comentário

Filed under Uncategorized

A banalidade do governo trapalhão

sem nome

Passos Coelho foi reeleito para dirigir o PSD. Cerca de 90 por cento dos militantes presentes votaram nele. Era o único candidato. Afinal ele até tem andado a distribuir bons “tachos” aos boys e à girls daquele burgo partidário. Os portugueses são quem paga. Assim não custa nada armar-se em benemérito. Tudo se compra. Tudo se vende. Não existem almoços grátis. Passos, desta vez, parece que preferiu falar verdade (alguma vez haveria de acontecer). Disse ele: “Sabemos que não teremos um milagre económico em maio deste ano. Que quando fecharmos o período de assistência económica e financeira ainda teremos desafios muito importantes para enfrentar, seja ao nível do desemprego, seja ao nível da coesão social, coesão territorial e recuperação económica”. Desmentiu assim o trapalhão seu parceiro de governo, ministro da economia, Pires de Lima – que em finais de outubro dissera que “Está em curso um «milagre económico» em Portugal”. Não há milagre económico, até maio, disse Passos ontem. Não vai haver milagre económico nenhum enquanto estes inqualificáveis mancebos forem detentores dos poderes. E aquela mafia detém quase todos os poderes. Incluindo Belém, que amortece, protege e anula as quedas do governo seu comparsa. Está quase tudo dito. Ou melhor: quando estes mancebos falam, vomitam palavras eivadas das banalidades próprias de um governo e rebanho político trapalhão. Ontem Passos disse assim, amanhã dirá de outro modo, nas eleições já vai acenar com um “milagre” enganador que lhe permita conseguir mais votos dos incautos… ou estúpidos. Passos, o salvador. Passos, o mentiroso, o trapalhão.

Manuel Tiago

1 Comentário

Filed under Uncategorized

Um tal Nuno Crato

sem nome

Desajuste escola-empresas. É esse o artigo que nos traz a Rádio Renascença no seu site: “Três em cada 10 empresas não encontram quem precisam para as vagas que têm”. Parcial do que poderá ler: “Um dos consultores envolvidos no estudo “Emprego em Portugal: Caminhos de Inversão”, apresentado este sábado de manhã em Lisboa, afirma que “30% das empresas não encontram quem precisam para as vagas que têm”. Em declarações à Renascença, Raul Galamba sublinha que há trabalho a fazer do lado de quem ensina. “As escolas têm de estar muito atentas às necessidades das empresas: há um ‘gap’ muito grande entre aquilo que o mercado requer e aquilo que a escola, no sentido lato, está a dar”, refere. Por outro lado, Raul Galamba sustenta que as empresas também devem ajustar o seu comportamento. “Têm de se voltar mais para as pessoas. Por exemplo, podem integrar jovens desde muito cedo”, acrescenta o especialista, que é consultor da McKinsey.” O que compreende e constata é que as escolas andam mesmo ao deus-dará, que é como quem diz: funcionam à balda, são o reino da confusão, são o desperdício de milhares de milhões de euros desembolsados pelos contribuintes. São o desperdício das capacidades dos jovens que acabam por cair no reino da aversão às escolas. Tudo isto é a consequência de políticos-governantes que andam a brincar com os recursos humanos do país. Naquilo que está bem não se mexe ou, então, melhora-se, aperfeiçoa-se, se existir a certeza absoluta de que assim acontece. Nada disto é o que os ministros da educação fazem, antes pelo contrário. E se um ministro, um governo, acerta e faz bem, logo surgirá o seguinte para mudar, baralhar e destruir – é esse o caso deste ministro da pseudo educação e ciência, um tal Nuno Crato.

Álvaro Tomeu

2 comentários

Filed under Uncategorized

Acabem com as praxes

sem nome

Seis jovens estudantes morreram num alegado ato de praxe universitária. Uma onda gigante e inesperada arrastou sete estudantes para o mar quando estavam no areal, muito pouco distanciados da linha de rebentação. Ocorreu na praia do Meco – numa aldeia próxima da praia, onde os estudantes alugaram casa para passarem dois ou três dias e aí cumprirem as praxes reservadas aos caloiros. Seis deles eram caloiros, o sétimo estudante pertencia à denominada Comissão das Praxes. A lamentar são as seis mortes na flor da vida. Seis jovens promissores que iniciavam o caminho da universidade e de um melhor futuro. Vai daí tiveram de se submeter às praxes. Eis o resultado. Resultado terrível porque o uso e abuso das praxes vai muito para além do admissível. Vezes demais, apesar de alegadamente dizerem que é “uma tradição e uma brincadeira”, ultrapassa e viola os Direitos Humanos. Vezes sem conta os jovens praxados são humilhados. Pior ainda quando as “brincadeiras” conduzem à morte e a outro tipo de acidentes graves. Diz a Wikipédia sobre as praxes universitárias: “A praxe rege-se, de acordo com os seus promotores, por códigos aprovados por grupos restritos da comunidade estudantil1 . Os promotores da praxe afirmam que se trata de uma forma de integração, já que, através da praxe, os novos alunos conhecem os estudantes mais velhos que os podem ajudar ao longo da sua vida académica, e os colegas do seu próprio ano, contribuindo para novas amizades. As práticas associadas à praxe revelam, porém, em muitos casos, o exercício de formas de humilhação e de agressão física e psicológica a que os novos estudantes se submetem, entre outras razões, pelo receio que têm da da sua ostracização pela comunidade. Estas práticas que conduziram, nalguns casos, à morte ou a danos físicos graves irreversíveis a caloiros, que levaram à abertura de processos-crime, têm sido objeto de forte contestação e gerado enorme polémica.” Acreditemos que aqui acabámos de ler e tomar conhecimento do essencial. Que se termine com as praxes e que sejam os próprios universitários a tomar tal decisão. Isso seria muito melhor que qualquer lei repressora e, naturalmente, lei-convite à contestação e à desobediência. Desse modo os universitários demonstrariam maior e melhor consciência de humanidade. Um caloiro é um estudante como outro qualquer. É, principalmente, uma jovem pessoa que merece todo o respeito dos estudantes mais “velhos”. Todo o respeito ao darem-lhes as boas vindas e na sua integração na universidade. Em memória às vítimas das praxes, acabem com estas estúpidas e perigosas praxes.

Robles Neto

Deixe um comentário

Filed under Uncategorized

Barroso PR em vez de Marcelo? Fujam!

13830855612370

Podemos ler no i online: “Marcelo Rebelo de Sousa afastou ontem uma futura candidatura às eleições presidenciais de 2016. Para o comentador e ex-líder do PSD, o perfil de candidato presidencial traçado por Pedro Passos Coelho na moção que levará ao congresso de Fevereiro tem uma intenção clara: “Acho que ele quis excluir o candidato Marcelo Rebelo de Sousa, o que é perfeitamente legítimo. Está nas suas mãos e quis fazê-lo”. Falando no habitual comentário semanal na TVI, o ex-dirigente social-democrata deixou claro que fará a vontade ao primeiro-ministro – “A questão está resolvida. Essa candidatura não vale a pena ponderar”. “Uma pessoa de bom senso, a não ser que queira fazer um exercício de vingança ou um exercício lúdico, não vai dividir o eleitorado”, acrescentou Marcelo, defendendo depois que o actual presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso, “é uma hipótese forte” como candidato presidencial com o apoio do PSD.” Que os deuses e os diabos nos salvem. Então Durão Barroso está agora a afiambrar-se à Presidência da República? Mal por mal que fosse o professor Marcelo a abotoar-se com uma boa vidinha no Palácio de Belém. Agora, Durão Barroso? Esse; o tal que anda atrás das suas próprias vantagens como o burro atrás da cenoura? Estarão os portugueses recordados de ele, Barroso, foi primeiro-ministro e que assim que lhe acenaram com uma proposta melhor se borrifou para Portugal e lá foi encher-se para a União Europeia? Então e agora quem é que vai votar num traste daqueles? Só se os portugueses estiverem parvos, embriagados, hipnotizados e se confirmar que são uns coisitos muito estúpidos que afinal até mereceram o salazarismo por mais de 40 anos. Barroso em PR? Nunca! Deus nos livre em elegerem tal estafermo! Fujam!

Ana Castelar

Deixe um comentário

Filed under Uncategorized

Passos, Seguro… Já não há pachorra

sem nome

O farsante que é primeiro-ministro de Portugal, Pedro Passos Coelho, continua com a sua compulsividade agravada remoinhando na mentira e na técnica “sábia” de se mostrar “convencido” disto e daquilo para enganar, enganar e falar de borla ou para iludir trouxas. Vai daí, dos jornais, Passos “manifestou-se hoje convencido de que é possível, até abril, um acordo com o PS quanto aos limites da despesa pública, o que dará tranquilidade aos mercados para obter juros baixos após a saída da ‘troika’. Um acordo com o PS. Esse tem sido sempre o objetivo de Passos, de Portas, de Cavaco e do governo. Enredar o PS – ainda mais do que aquilo que está – em toda esta situação de descalabro nacional. Entretanto, Seguro, secretário-geral do PS, responde às palavras de Passos dizendo que “o desafio lançado pelo primeiro-ministro para um “acordo” com o PS quanto aos limites da despesa pública demonstra que Passos Coelho está “perdido e desnorteado”. Que não. Que nunca por nunca ser se deixará enlear ainda mais na situação de “crise” e de responsabilização (para além da que já tem do passado) de que Passos (e a direita extrema) quer arrastar o PS. Seguro não disse com estas palavras mas foi o que quis dizer, no mínimo. Entretanto Portugal e os portugueses estão reféns destes jogos perpetrados por um farsante, apoiado claramente por outros dois (Cavaco e Portas) para não referir os seus compadres banqueiros e muitos outros da alta finança e empresariado, além dos grupelhos de saudosistas do salazarismo moderno que Passos e Cavaco têm a todo o transe implementado. E daqui não se sai. Que Portugal está melhor, que a luz ao fundo túnel está já ali… Francamente, não vimos nada disso. As vidas dos portugueses está um estouro, está uma miséria, estamos na miséria e só uns quantos é que se têm locuptado com os lucros da pobreza gerada às ordens destes autênticos sugadores insaciáveis que se apoderaram do poder para nos empobrecer e enriquecerem. Melhor seria que se calassem, já que nada de jeito produzem em prol do melhor para Portugal. Seguro que faça em vez de dizer que faz. Está mais que na hora deste governo se ir embora. Falar e daí nada resultar não é ser oposição mas sim um joguinho de faz-de-conta. Francamente, já não há pachorra.

Pepe

1 Comentário

Filed under Uncategorized

Caboverdiano vai aos óscares – Feral

No Expresso Alexandre Costa dá-nos conta que “Animação de Daniel Sousa nomeada para os Óscares“. O realizador é caboverdiano. Estamos a torcer por ele, por Feral. Vá ao Expresso e veja, pelo menos, o trailler. Quase mais nada há para dizer… agora.

Graça Pádua

Deixe um comentário

Filed under Uncategorized

Cavaco, um bronco filho da mãe

Palavras para quê. O bronco mostra bem o que vale e não vale. Para Portugal significa a desgraça e a vergonha. Votaram nele menos de 2 milhões, 8 milhões estão a borregar de vergonha e de indignação. Uma vergonha e um desastre nacional. Para agravar tem “rabos de palha” em enleios com a PIDE. Nem outra coisa seria de esperar.

Pepe

Deixe um comentário

Filed under Uncategorized

Pára Pedro

É exatamente o que os portugueses querem, que Pedro e associados párem de os esbulhar. Pára homem do diabo. Pára Pedro. E quem diz Pedro também inclui Cavaco e Portas, para além daqueles que os acompanham com o pretexto da crise e “engordam” por via da miséria que estão a causar ao país e aos portugueses – os mais fragilizados, a classe média e muito mais boa gente. Pára Pedro.

Graça Pádua

Deixe um comentário

Filed under Uncategorized

Troika que os pariu!

troika_que_os_pariu_poster-rff85bd0c23f544f499e3f003e5637bf7_w2q_8byvr_324

Provado. O governo gosta da troika. Leia-se no Económico, para que não restem dúvidas. Logo no inicio podemos ler: “O Parlamento Europeu questionou os diferentes governos dos países debaixo de intervenção sobre o desempenho da ‘troika’ e as respostas não foram unânimes. Lisboa fugiu ao tom de crítica. E depois lá vem a referência à ministra troikana Maria Albuquerque: “Maria Luís Albuquerque, que assina as resposta do Governo português, assume um tom conciliatório. A ministra das Finanças chega a desvalorizar os problemas com o Tribunal Constitucional. As respostas do Executivo mostram que têm uma sintonia ideológica com a ‘troika’. Não foi por acaso que Pedro Passos Coelho disse várias vezes que as medidas da ‘troika’ teriam de ser aplicadas mesmo sem resgate.” De Vitor Gaspar, ex-ministro (agora em vias de ingressar num grande tacho do FMI por recompensa) no Económico pode recordar que: “Vítor Gaspar sempre foi mais troikista que a ‘troika’.” A compor o ramalhete, no Económico, como prova da existência dos adoradores da troika lê-se: “mais recentemente, o secretário de Estado Bruno Maçães foi a uma conferência em Atenas e foi acusado de parecer um representante dos países do centro da Europa, em vez de um elemento de um Governo de um país sob intervenção. Nem a maior preponderância de Paulo Portas no Governo depois da saída de Vítor Gaspar mudou o ADN do Executivo. Este Governo é, no mínimo, primo da ‘troika’.” E então? Digam lá que não estamos entregues aos bichos (servis). Troika que os pariu!

Pepe

1 Comentário

Filed under Uncategorized

Armas químicas sírias vêm por bem

imagesCA5V2GA1

Sobre armas químicas em Portugal vêem-se títulos desde há algumas horas. Por exemplo: Portugal autoriza transbordo de armas químicas; Armas químicas Governo ainda não tomou decisão sobre transbordo; Quercus preocupada com risco ambiental do transbordo de armas; Bloco exige explicações do Governo sobre transbordo de armas. Os títulos linkados pertencem a Notícias Ao Minuto, mas estão por todas as publicações online de Portugal e, muito provavelmente, estrangeiras. Armas químicas vindas da Síria, daquelas que dizimaram milhares de sírios. Um perigo. Exatamente por serem um perigo foi pedido a Portugal para correr o risco. Portugal, um lacaio pobretanas dos EUA e dos potentados do armamento, assim como da NATO/OTAN, com o agravante de ter nos poderes uns políticos sem coluna vertebral nem patriotismo porque as suas pátrias são as dos cifrões, das negociatas e recompensas de favores que lhes possibilitam grandes vidas e melhores ganhos em cargos no estrangeiro em organizações internacionais ou em empresas privadas internacionais onde recebem balúrdios. Uns vendidos em não raros exemplos. E então essas armas químicas que são tão perigosas mas vão escalar território de Portugal? É evidente que vão. Os lacaios nem sequer se lembram que devem fazer alguma força na coluna vertebral para mudar da posição de subserviência (curvados) para a de homo erectus. Erectus são só para tramar a vida aos portugueses e venderem o país em saldos inadmissíveis. Portanto, ante a certeza que devemos ter do sim com vénias e outros salamaleques cá vamos ter as tais armas e os tais químicos que até dariam algum jeito ao governo se fossem espalhados pela imensa quantidade de velhos reformados, dos gravemente doentes e dos desempregados. Cumpria-se o adágio de “matar dois coelhos de uma só cajadada”. Assim como que por milagre de Fátima estaria resolvido o problema da segurança social, aliviada com as verbas enormes das pensões de reforma, o problema das despesas com a saúde dos oncológicos e outros… e o desemprego veria cair os números em flecha à velocidade do som. Venham as armas químicas para Portugal e se acontecer um acidente até será uma sorte. É que há males que vêm por bem. Seria como saírem vários euromilhões a este governo e ao Senhor dos Números – Cavaco Silva. Assim sendo não se justifica tanto alarido por causa destas armas químicas.

Otávio Arneiro

Deixe um comentário

Filed under Uncategorized

Bola de Ouro e Caneta de Esterco

cristiano_ronaldo_e_cavaco_silva3771b864_400x225

Em Portugal e pelo resto do mundo a convicção é que a Bola de Ouro vai para Ronaldo. Aqui para nós, acho que ele a merece mesmo, sem sombra de dúvidas. O seu elevado profissionalismo e as suas exibições futebolisticas são o testemunho indiscutível do merecimento daquele galardão. Como português só posso estar a torcer por Ronaldo mas para além disso carrego a certeza da sua grandiosidade como desportista e como génio do futebol nas suas exibições em campo. Bola de Ouro para Ronaldo, pois então. Noutra área, em Portugal, creio que devia ser instituído o galardão nacional da Caneta de Esterco. Merecidamente, com o máximo de protagonismo vencedor, o galardão, se existisse, devia caber a Cavaco Silva e a Passos Coelho (ex-equo) pelos seus esforços, assinaturas e gatafunhos de criação e aprovação de imposições inconstitucionais ao longo dos anos que dura esta mafiosa austeridade que esbulha os pobres portugueses e os seus parcos haveres, para desse modo possibilitar que pouco mais de umas dezena consigam ficar mais ricos. Porque Portugal está a tornar-se num país de excessos e do tudo ou nada a distância e diferença do melhor e do pior até cai bem, condiz com o panorama e práticas do atual governo e do PR assim como da atual miserabilização do país. Bola de Ouro para um, Caneta de Esterco para outro (outros). Parabéns aos vencedores.

Depois de escrito: Foi neste exato momento que tomei conhecimento de que efetivamente Cristiano Ronaldo foi o vencedor da Bola de Ouro da FIFA, para o melhor jogador do mundo em 2013. Já é a segunda vez que vence este galardão. Falta agora saber, quanto à Caneta de Esterco, se haverá quem institua o galardão e depois cumpra o processo de nomear e eleger com transparência os vencedores. É que de certeza absoluta haverá muitos a merecer o destaque e o prémio. Até haverá os que poderão bisar, como Ronaldo – só que aquele é em Bolas de Ouro.

Álvaro Tomeu

Deixe um comentário

Filed under Uncategorized

Passos vende Miró, que se lixe a arte

sem nome

O “Estado quer vender 85 obras de Miró avaliadas em 150 milhões de euros”. Esta é uma notícia, com vídeo, da RTP. Desenvolve: “Uma petição popular e o PCP vão tentar suspender a venda para o estrangeiro de 85 obras de Joan Miró. A colecção está avaliada em 150 milhões de euros e o estado português quer vender os quadros num leilão internacional.” Pelo que é afirmado em áudio estas obras de Miró estiveram escondidas e em segredo desde sempre. Compraram, comprámos (sem saber), mas nunca as vimos a não ser em catálogo. Arte escondida. Era do BPN, passou para a Caixa Geral de Depósitos a sua guarda, mas de Miró, as obras de Miró nem vê-las. Nunca foi exposta em Portugal. Muito menos por este PM acultural que vê todo a vantagem num povo ignorante, inculto e, se possível, analfabeto (ao modo de Salazar). Agora o governo de Passos vai vender Miró, coleção avaliada em 150 milhões de euros, provavelmente mais. Passos já tem os olhos esbugalhados com a esperança de que valha muito mais, uns 200 ou 300 milhões. Para ele o que importa são os cifrões, os portugueses, a arte e a cultura que se lixem. Este marmanjo faz-me lembrar aquele cafajeste que até vendeu a mãe e jogou no poker a mulher… que perdeu.

Graça Pádua

1 Comentário

Filed under Uncategorized

Surpresa no Benfica. Rotina no CDS

images

Até parece que a grande notícia é o resultado do 25º congresso do CDS em que Paulo Portas foi reeleito o “chefão”, mas não. A grande notícia, a surpresa, foi o Benfica ter vencido o Porto por 2-0. Isso é que é para admirar. Isso sim, foi surpresa. Para uns, surpresa agradável e para outros desagradável. Depende. Portas ser reeleito é uma habitual e irreversível notícia. Se não fosse assim o CDS quase acabaria como partido político. Sempre o mesmo, Portas. Até deviam alterar o nome do partido mudando para Irreversível Portas em vez de mentirinhas como centro, democrático, social, porque de democrático e social quase nada tem. E do centro… tem dias. Ou é o que Portas quer ou adeus CDS na sua viagem eleições abaixo. Façam como quiserem, senhores jornalistas e habituais analistas. Façam o alarde que quiserem para justificarem o que vos pagam, mas o facto é que o CDS sem Portas é nada ou quase nada e vai-se abaixo, como já antes aconteceu. Fenece com a falta das mentiras e baboseiras do senhor que desde catraio quer, pode e manda no partido(zinho). O resto é folclore. Daquele folclore que vimos hoje (tipo reprise) nas televisões em reportagens diretas. Congresso desnecessário porque já sabemos, sabemos sempre, quem é eleito “chefão”: Paulo Portas. Uma enfadonha rotina. Sempre o mesmo. O Benfica ter vencido o Porto por 2-0 é que não se esperava.

Otávio Arneiro

Deixe um comentário

Filed under Uncategorized

Segredo de justiça e caça aos jornalistas

imagesCAMGCLKM

O segredo de justiça é para respeitar? É. Mas deve corresponder a segredo de justiça enquanto importar que seja segredo e não desencaminhar-se para branqueamento ou ocultação permanente numa espécie de “segredo de Estado” que só servirá aos infratores, os eventuais criminosos escudados em partidos políticos, nos governos, na política, na alta finança, etc., etc. Porque em algumas ocasiões o segredo de justiça foi violado (por profissionais da justiça) com conteúdos que desembocaram na comunicação social e, consequentemente na praça pública, surge uma auditoria que responsabiliza de modo exagerado os jornalistas e recomenda a perseguição ou caça aos jornalistas através de escutas, com buscas nas redações e até em casa daqueles profissionais. Salazar não faria melhor, com o seu braço pidesco. Diz a ministra da justiça que tais medidas propostas não têm pernas para andar. Nunca se sabe. A própria PGR torçe o nariz à proposta. Nunca se sabe. A vontade de alguns é que a repressão e perseguição aos jornalistas seja posta em prática e tenha peso de lei “democrática”. Perseguição? Qual quê! Diz o eurodeputado Paulo Rangel, do PSD, acrescentando que “a comunicação social não pode reagir como se estivesse a ser perseguida na discussão sobre a violação do segredo de justiça, considerando-a uma dimensão do problema”. Sai-se com esta: “Muita gente não violaria o segredo de justiça se não soubesse que ele ia ser divulgado. A comunidade da comunicação social também deve refletir sobre isso e não deve reagir corporativamente a achar que está a ser perseguida porque ela, objetivamente, contribui para que aquele dano seja causado”, Paulo Rangel falava assim à agência Lusa, em Coimbra, à margem de uma conferência sobre a revisão constitucional. Pois para muitos a proposta dos que procederam à referida auditoria é mesmo de perseguição e até de abuso de poder ao pretender fazer tábua raza de leis democráticas e transformar em crime o direito de informar. Atendendo a que apesar de um processo poder estar ao abrigo do segredo de justiça se o facultarem a jornalista ou jornalistas mais não fazem esses do que cumprir o dever da sua profissão e divulgar, informar, tornar público. Deverão os operadores da justiça fechar a sete chaves o que estiver em segredo de justiça. Devem sabê-lo fazer. Devem cumprir a lei. Não devem divulgar, a ninguém, seja a quem for, conteúdos de tais processos porque são eles os seus fiéis depositários. E se assim não acontecer, se divulgarem o que não devem – violando o segredo de justiça – serão eles os únicos responsáveis, não os jornalistas a quem facultaram tal segredo. É que para os jornalistas não devem existir segredos desde que tomem conhecimento de acontecimentos, de processos judiciais ou outros, que uma vez divulgados são considerados de interesse público pelo conhecimento que carregam. Um jornalista não pode ser preso ou multado, ou incomodado por conseguir um “furo” que corresponde comprovadamente à verdade, à realidade. Estas ameaças são a proposta de abertura da caça aos jornalistas. Criminosos são os operadores da justiça quando violam o que é segredo. Paulo Rangel, e outros, está a querer pôr o carro à frente dos bois. Andam num jogo inadmissível de coerção e proposta ao conluio jornalístico (ainda mais). Depois chamam a isto democracia. Democracia? Qual democracia? A democracia cada vez mais deficitária em Portugal e na Europa?

Robles Neto

Deixe um comentário

Filed under Uncategorized

Plano de extermínio de doentes e velhos

imagesCAD7KBDQ

“Esta semana foi conhecido o caso de uma doente que, entre a análise que detectou sangue nas fezes e a realização de uma colonoscopia que confirmou que padecia de cancro colo-rectal, esperou dois anos, altura em que o tumor se tornou inoperável, noticiou o Diário de Notícias. O coordenador nacional do Programa Nacional para as Doenças Oncológicas, Nuno Miranda, não comenta o caso, mas diz que, entre uma análise positiva e uma colonoscopia, “dois meses de espera é razoável”.” Refere o jornal Público. A espera não deve ser de dois anos (só se existir a intenção de matar o doente), nem é admissivel uma espera de dois meses. Não, senhor doutor, não é “razoável” – a não ser que tenha aprendido isso na Escola de Hitler porque assim sempre poupavam “trabalhos” nos campos de concentração. Já agora: a senhora (doente) em causa é judia? Tristemente, porém, este não é um caso isolado. Susurram-se notícias de que os doentes cancerígenos têm os dias – mais depressa e mais curtos – contados por falta de atempados diagnósticos mas também por falta de tratamentos, de cirurgias, etc. E não são só os doentes cancerígenos (oncológicos). O governo e o ministro da saúde está a cumprir calendário e a transformarem Portugal num imenso campo de concentração e de extermínio de portugueses doentes ou velhos devido aos cortes imensos que afetam o normal cumprimento de prestações de saúde em país civilizado. Daqui ao nazismo de Hitler qualquer dia não haverá grande diferença. Portugal campo de extermínio. Isso é crime. Os jovens ou os de meia-idade que padecem de Sida andam também a encontrar imensas dificuldades nos tratamentos adequados. Nos postos de saúde negam aos toxidependentes seringas. Alegam que não existem seringas. Tudo isto para quê? O que se pode ler é que existe a intenção de expurgar os doentes por serem não produtivos. Incluam-se os velhos que são contemplados com reformas miseráveis que não lhes dá para comerem, nem para adquirir os medicamentos que lhes são receitados. Se Portugal não é um campo de extermínio dos “inúteis” o que é? Como se chama este programa nazi que o governo muito provavelmente guarda à sucapa? Dêm-lhe o nome que derem, ou não dêem porque não existe no papel, mas é crime.

Álvaro Tomeu

Depois de escrito: E agora vão pagar horas extraordinárias no caso das colonoscopias como revela o Público: “Governo admite pagar horas extra para resolver atrasos nas colonoscopias”. Agora já existem verbas? E vai sair a todos nós muito mais oneroso por serem horas extraordinárias… Boa gestão. Se realmente a notícias corresponder à verdade, o que com este governo, com estes ministros, nunca se sabe das suas parcas capacidades de serem honestos e verdadeiros. À partida, o melhor, o correto, é não acreditar mas ver nas promessas mais uma farsa.

2 comentários

Filed under Uncategorized

Arnaut Goldman, Gaspar FMI, Pereira OCDE… São só simples coincidências

sem nome

José Luís Arnaut nomeado para alto cargo no Goldman Sachs, pode ler no Negócios. Nos tempos mais recentes integrou a equipa de privatizações da Ana, dos CTT e de mais umas quantas. Nos CTT a Goldman Sachs é maioritária. Recompensa? Promiscuidade? Não. Repita-se: NÃO! São todos muito honestos. Nem sempre o que parece é. O Partido Socialista diz que isto é promiscuidade com política e negócios. Olha quem fala. O PS está repleto de telhados de vidro. Sim deve denunciar o que considera suspeito (no mínimo), mas deve sanear-se porque, junto com os partidos do “arco da governação” a que pertence a promiscuidade dos seus políticos com os negócios tem sido enorme, imoral e inadmissível. Agora é o PSD e o CDS que estão no governo, chegou a vez deles de cumprirem aquela frase batida mas verdadeira do “é fartar vilanagem”. Mas há mais “coincidências” (a abordar em breve). Gaspar, o tal ex-ministro das Finanças vai para o FMI. Santos Pereira, ex-ministro da Economia vai para a OCDE e será o número 2 dos mandões. Coincidências. E a minha avó é uma senhora de 122 anos que fuma 3 maços de cigarros por dia, vai todas as noites para as discotecas, frequenta praias em topless  e no Meco faz nudismo, ainda diz que é rara a noite que não faz sexo e só pára aos 77 orgasmos. Coincidências. Que mais irá acontecer? Alguém pensa em corrupção, conluio ou nepotismo? Se sim é simples coincidência.

Pepe

Deixe um comentário

Filed under Uncategorized

Sophia e Eusébio no Panteão Nacional

imagesCAI1UB90

O Panteão Nacional (local onde repousam os restos mortais de heróis e figuras nacionais de que nos orgulhamos) tem sido muito badalado nestes últimos dias devido à morte de Eusébio. Ainda hoje foi falado e refalado no Parlamento – os deputados não têm mais o que fazer e já vão na segunda ou terceira vaga de Eusébio (sempre podem ganhar mais uns votos futuramente). Eusébio no Panteão Nacional, eis a questão. Sim, ou não? Se sim, apesar de tudo, só daqui por um ano é que poderá ver luz verde para dar entrada no ex-libris nacional dos já idos. O que demonstra que estes deputados são um atraso de vida, uns coisinhos que “trabalham” mais lentamente que os caracóis – e esses até exibem os corninhos ao sol sem vergonha. Um ano para se decidir e aprovar o ingresso de portugueses de destaque que justificadamente devem estar no Panteão Nacional? Que vergonha senhores lentinhos das dúzias nas decisões (que não as de seus interesses pessoais). Agora fala-se de Eusébio. Pois, daqui por um ano se verá… Hoje corre a notícia que Sophia de Mello Breyner vai para o Panteão. Foi decidido. Viva! Finalmente! Diz a notícia na TSF: Poetisa Sophia de Mello Breyner vai para o Panteão Nacional antes de Eusébio. Mas que atrasos de vida são aqueles(as) ditos(as) representantes dos eleitores, que legislam tudo complicado para fazerem de conta que trabalham muito a descomplicar (deve ser isso que acontece). Sofia já devia lá estar, no Panteão, há muito tempo. Eusébio já quase devia estar a repousar ali. Mais semana menos semana assim devia acontecer. Devia, mas nem sabemos o que vai acontecer… Talvez daqui por um ano, ou dois, ou três, ou… Sabe-se lá quando. Mal vai o país que não respeita os seus ilustres cidadãos como deve. E essa falta de respeito sobressai principalmente dos políticos que legislam., para além dos outros, quase na generalidade. País de alguns sustentado por milhões.

Zara Bettencourt

Deixe um comentário

Filed under Uncategorized

Casino Portugal sorteia automóveis

sem nome

Portugal virou o país casino. É tudo uma questão de sorte. Agora até haverá premiados com um automóvel (esperamos que novinho) em sorteios de faturas com número de contribuinte fiscal, o tal NIF. O jogo foi implementado pelos sábios do governo de Passos-Portas-Cavaco (ou vice-versa). O cidadão contribuinte ao proceder a um pagamento exige fatura com o seu respetivo NIF e poderá ganhar um automóvel em sorteio a realizar pelo governo ou quem o represente. Daqui por uns tempos talvez possamos ver quantos boys e girls do PSD/CDS vão andar por aí com novos bólides. E os tios, e os primos, e os primos dos primos – como já dizem os más-línguas. Sem sentido esta casinada tirada do cérebro de galinha careca dos sábios da governação. Tratam os portugueses e as portuguesas como deficientes mentais e assim vão levando a sua água ao moínho, fazendo-nos ninho atrás da orelha. Então e se nps recusarem entregar a fatura? É que na EMEL, por exemplo, não gostam de passar faturas. E como na EMEL muitos outros haverá. Sabemos isso. Vai daí entramos em vias-de-facto, andamos à estalada, por não nos quererem passar uma fatura relativa a pagamentos? E no café do Zé da Esquina, que não passa faturas, vai haver estalada de criar bicho por causa de impossibilitar a habilitação a ganharmos um popó oferta do governo? Que país? Que geração de penduras e salafrários está no governo e na condução das políticas deste país à beira-mar plantado? Então não seria normal que a educação dos cidadãos correspondesse ao cívismo e responsabilidade de não “fugir” às faturas e aos impostos? Seria normalíssimo mas… É que os portugueses, com razão, dizem de si para si que fogem aos impostos porque não estão para sustentar tantos chulos e ldrões. Obviamente que se referem aos políticos desde os que estão nos governos, assim como aqueles que abarrotam a Assembleia da República, para não falar dos gastarios da presidência da república(zinha), e todos que ladeiam aquela mole imensa de nababos que sustentamos. essa é a razão principal por que os portugueses são arredios a pagar impostos escrupulosamente. Lembram-se da corrupção, dos conluios, do nepotismo, e torcem o nariz ao sentimento de andarem a pagar para engordar porcos que nem sequer dão para comer – a não ser que se seja canibal. E é assim. O Casino Portugal está aberto. A roleta vai rodar. Veremos o que sucede, apesar da desconfiança ser tão grande. Nunca se sabe. Num país de tantos calhaus pode ser que desta vez os betinhos do governo acertem com uma pedrada no charco da deficiência mental como vê os seus concidadãos.

Manuel Tiago

1 Comentário

Filed under Uncategorized

Esteve fechado para férias. Já não está

imagesCAOM3A08

Esteve “Fechado para Férias”. Já não está. A partir de agora o Balneário Público está aberto para o procedimento das higienes que vinha aplicando. Lavando roupa suja, é certo, mas também deixando opinião de como considera melhores modos de “lavagens” – nada comparáveis aos métodos fascistóides do atual governo de Portugal com o patrocínio do horrivel e malfadado presidente da república, de nome Cavaco mas que não liga cavaco à Constituição da República Portuguesa. É o que sobressai. Dito assim, e depois de “batermos nestes ceguinhos” – principalmente Cavaco, Passos, Portas e salafrários deputados amarrados à “disciplina de voto” (leia-se disciplina dos lobies), lá vamos nós com a equipa de autores em força jorrar conteúdos que sabemos de nosso gosto e interesse abordar com a esperança de que também vos agrade. Não podemos satisfazer todos mas já ficaremos felizes por conseguirmos “acordar” a agradar a alguns. A partir de agora conte connosco neste Balneário Público.

Ana Castelar

1 Comentário

Filed under Uncategorized

Livres: lixeiras de Belém e São Bento

Sem título

Cantoneiros em greve na cidade de Lisboa. Preocupação com o lixo espalhado pela cidade, sem que seja produzida a respetiva recolha. Cuidado com o lixo, transmite doenças. Recomenda a Direção Geral da Saúde, preocupada com a saúde pública. A Câmara Municipal de Lisboa recomenda que se guarde o lixo em casa. Anuncia hoje que já dispôs mais contentores na cidade para que os lisboetas se aliviem do lixo em casa e o coloquem nesses contentores. Mas qual quê! A cidade está toda a abarrotar de lixo! Curiosamente existem lixeiras acessiveis aos lisboetas que apesar de conterem bastante lixo ainda têm espaço para muito mais. Onde? Em Belém e em São Bento. Essa seria a recomendação que devia ser emitida pela CML e pela DGS. “Levem o lixo para as lixeiras disponíveis: Belém e São Bento.” Já se sabe que os portugueses, os lisboetas, até fariam excursões alegres transportando o lixo para esses locais que apesar de conterem tanto lixo ainda têm muito espaço para mais. Mas não, o que pedem é para que se guarde o lixo em casa e se contraiam doenças caseiras em vez de doenças contagiadas na via pública. Afinal por que não levar o lixo para as lixeiras de Belém e de São Bento? Os que lá estão e já são lixo agradecem e até são imunes às doenças do lixo. Não fosse assim e eles já teriam adoecido e morrido, habituados que estão às imundices de que fazem parte desde há tantos anos. Lixo onde não há dia em que não chafurdem. Lixo no lixo, em Belém e em São Bento. Salve-se a saúde pública e proporcione-se à javardaria mais matéria de seu gáudio e preferência. Belém e São Bento, as lixeiras disponíveis em Lisboa. Outras há. Juntem o lixo ao lixo, que é onde ele deve estar… para ser incinerado.

Manuel Tiago

Deixe um comentário

Filed under Uncategorized

Feliz natal e festas felizes?

imagesCARDLL7Z

Desejar feliz natal e festas felizes é aquilo que neste período desejamos (ou dizemos que desejamos) aos que conhecemos, aos que fingimos conhecer, aos que detestamos mas não lhes podemos dizer a verdade sem que por isso paguemos uma elevada fatura (diretores, patrões, chefes, etc.), aos que amamos, aos que até sabemos que é impossível terem um natal feliz e boas festas ou um ano de 2014 próspero… Só para cumprir a tradição também desejamos um feliz natal aqui no Balneário, apesar de sabermos que dificilmente a maioria dos portugueses terão um natal feliz e todas aquelas coisas boas e babosas que expressamos desejar. Em Portugal vai ser um natal de miséria para muitos milhares de portugueses ou, talvez, três milhões deles. Não podemos esquecer esses. E esses não se devem esquecer deste natal miserável, mais que qualquer outro, por razão dos roubos que este governo com a cumplicidade do presidente da república têm realizado aos que menos têm, principalmente aos mais carenciados. Muito menos esses três milhões de miseráveis se devem esquecer daquilo por que têm mal passado quando forem votar nas próximas eleições. Sim, porque muitos desses agora miseráveis embarcaram nas mentiras de Cavaco e nas mentiras de Passos, votando neles e nas suas falsas promessas. Pior são os que nem neles votaram e andam há tanto tempo a sofrer pelas más escolhas de muitos dos portugueses que agora se dizem arrependidos só pelo facto de estarem na miséria ou às portas dessa desgraça. Não percam a memória se acaso quiserem voltar a ter um bom natal e festas felizes com antes de colocarem a direita radical nos poderes (presidencial, legislativo e governamental). Aprendam com os erros. Erro maior que elegerem Cavaco e Passos não havia memória em Portugal. As provas estão à vista. Mesmo assim, com ironia: FELIZ NATAL!

Ana Castelar

Obs: Pelo que consegui apurar dos restantes colaboradores deste Balneário durante o período das festas natalícias e de ano novo (vida velha) a atualização dos posts será efetuada de modo muito irregular. Em 2014 contamos voltar com muita assiduidade.

Deixe um comentário

Filed under Uncategorized

Bandidos Bissau, bandidos Lisboa

sem nome

O incidente a partir de Bissau, representativo de bandidagem. A repercussão em Lisboa. Representativa da bandidagem. Uns lá, outros cá. Uns mais declarados, outros menos. As coisas, os incidentes, as ocorrências, os/e as personagens devem ser descritas como aquilo que representam na realidade e não mais (nem menos) que isso. A Guiné-Bissau, na elite, é um país a transbordar de bandidos. Os maiores e com mais responsabilidades são das elites militares e políticas. Desde o maioral do exército (forças armadas) até à presidência da República. Julgar tais personagens bandidos talvez seja pouco. Em Portugal, por enquanto, salvam-se as elites militares (tememos que por pouco tempo) mas a presidência da República e o governo pouco ou nada tem em abono da sua exigida idoneidade, que se saiba. Isso significa que entre bandidos tudo está bem… Se acabar em bem. Como os elementos do voo da TAP (acerca das ameaças armadas) não esconderam a faceta bandidesca em Bissau – por causa dos sírios refugiados – criou-se uma “crise diplomática” que é só aparente e de que a UE já se livrou deixando a batata-quente para o governo português e para o aparente (mas inútil) presidente da República, Cavaco Silva. Seja como for, aconteça o que acontecer, certo é que o que mais importa são os direitos de refugiados das pessoas vindas da Síria, sírios. Por acaso até nem são pobres. Pagaram bem para chegar a Bissau e depois a Lisboa. Repetindo: Gastaram do bom e do melhor para chegar a Bissau num corredor existente e muito caro que os fez chegar a Lisboa. Mas importantes são eles, as pessoas. Homens, mulheres e menores. E sobre isso quase não se ouve falar. Sim, eles trazem dólares. Muitos. O que para os do governo e para Cavaco Silva é muito mais importante, pelo que é visto pelos portugueses. Se acaso fossem uns pobretanas quaisquer já não mereciam coisa alguma para além de desprezo, supõem-se. O costume, nesta elite portuguesa subjugada aos valores dos cifrões e tão enleados em casos obscuros, dúbios – como é caso de Cavaco. Está aqui posta em causa a honestidade política de Cavaco? Sim, pois está. Mas o que aqui está explicitamente é o que a maioria dos que escrevem e emitem opinião não fazem. O que não é novidade. Presumimos que temos um PR de honestidade dúbia que até nem se deve preocupar com a bandidagem de Bissau e se devia preocupar com a bandidagem em Lisboa, em Portugal. Devia pronunciar-se contra isso. Contra a falta de honestidade de certos e incertos compatriotas. Não o faz. Parece que nem sequer tem autoridade moral (ou outra) para isso. Bissau e Lisboa, no mínimo, nessas capitais, nesses países, as populações estão enojadas e fartas de toda esta bandidagem. Só mais uma adenda: Bom nome de Cavaco ou dos do governo? Credo, como tal será possível? Pergunte–se: Como foi que aqueles sírios chegaram a Bissau e prontos e embarcar (à força)  em Bissalanca? Qual foi o preço? Qual será, agora, o preço? Tráfico de milionários ou proteção a refugiados? Seja como for, o certo é que as pessoas são o mais importante e eles, aqueles sírios, são refugiados de uma guerra terrível.

Pepe

Deixe um comentário

Filed under Uncategorized

Um Rui Rio Perigoso, um “salvador”

images

O PSD sabe que às tantas vai ter de se livrar de Passos Coelho e da sua trupe. Urge eleger um “salvador” do PSD e de Portugal para prosseguir o percurso que delineou e que visa enriquecer ainda mais os ricos e empobrecer muito mais os pobres. E Rui Rio já se está a pôr em bicos dos pés para cumprir os objetivos. Rio vai ser eleito para a chefia do PSD e quer ser primeiro-ministro. Hoje mostrou uma parte do seu “programa” ou Carta de Intenções. Diz a comunicação social que “Rui Rio quer consensos para «acabar com isto» de medidas políticas «terem de ir» ao TC “. Consensos com quem? Com o Partido Socialista, já se sabe. Quer carta-branca para poder esganar ainda mais os portugueses sem ter de passar pelo incómodo Tribunal Constitucional porque é de sua vontade e da corte que já o vai rodeando, reprimir mais, roubar mais os portugueses. E, já se vê, Rio quer liberdade para roubar tudo o que melhor aprouver alegando que são medidas políticas sem que exista uma instância que o proíba por ser inconstitucional. O esmagamento dos direitos, liberdades e garantias dos portugueses terão trato de polé… sem ser inconstitucional… porque serão “medidas políticas”. Rui Rio é demasiadamente perigoso para que lhe façam a vontade, a ele e à corja que o corteja. É um Rio muito perigoso com máscara de “Salvador” à laia de Salazar com fé no sebastianismo. Talvez numa manhã de nevoeiro acordemos e já não se vislumbre a Constituição da República Portuguesa que nos devia e deve proteger dos abusos daqueles que herdaram a vontade dos que durante cerca de meio século dirigiram o salazar-fascismo em Portugal. A gula é enorme e as roupagens são diferentes, atualizadas a estes tempos e enganadoras. Mas são os mesmos de então. E, provavelmente, farão ainda pior que os de então. Daqueles que herdaram a vontade de explorar insaciavelmente e oprimir. Com Rio, comparativamente, Passos Coelho parecerá um santo. Depende nós, depende de vós.

Ana Castelar

1 Comentário

Filed under Uncategorized